Itarana faz 58 anos e comemora com festa

Programação da Festa de 58 anos de Emancipação Política de Itarana.

Por Wendon Santos Almeida

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

Por Breno Fiorotti Mauri

No próximo dia 18 de abril, o município de Itarana comemora 58 anos de Emancipação Política. Assim, a Prefeitura Municipal de Itarana preparou uma programação voltada para a população e também ao fortalecimento da cultura e história do município.

itarana faz 58 anos e comemora com festa

As comemorações terão início no dia 16, sábado, com a Feirinha Família na Praça trazendo o melhor das comidas típicas e dos artesanatos feitos pela Associação para o Desenvolvimento do Turismo de Itarana (Adeturi) através de seus membros. Voltada para as crianças, acontecerá a brincadeira de caça aos ovos a fim de também festejar a chegada da páscoa deste ano, além do parquinho de diversão inflável presente nos três dias da programação. A noite será encerrada com o show do cantor Serginho Sambanejo, às 20 horas.

No domingo, dia 17, a agitação fica por conta do show com a dupla Leandro & Tiago, com seu repertório de músicas sertanejas e diversos sucessos.

No dia 18 de abril, às 9h, um marco para os comerciantes será a inauguração da Sala do Empreendedor, ao lado do Setor de Tributação, na rua Martinho Máximo Scardua. E à noite, para finalizar a programação tem um caloroso show com Fabricio Veraz, às 20 horas.

Lembramos que as comemorações cívicas serão realizadas nas escolas de rede municipal de ensino durante a semana que antecede a data de aniversário, entre os dias 11 a 14 de abril.

A programação envolve como realização as Secretarias Municipais de Educação (Semed); Desporto, Cultura e Turismo (Sedecult); e Administração e Finanças (Semaf).

Chame sua família e participe!

Atenção: solicitamos aos condutores de veículos que se atentem ao trânsito no local da festividade, pois um lado da via da Praça Ana Mattos estará interditada e a outra via funcionará como mão e contramão.

Leia também:  Exposição "Mãos que tocam o barro" estreia segunda (21) na Casa Porto em Vitória

História de Itarana

Segundo informações de antigos moradores, em 1879, várias famílias de San Cassiano de Treviso, na Itália, resolveram emigrar para o Brasil, viajando no veleiro “La Valleja”. Chegaram em 21 de junho do mesmo ano em Santa Teresa, onde encontraram patrícios que haviam saído a mais tempo de sua terra natal e já possuíam propriedades no Brasil.

Os san-cassianos trabalharam durante três anos para os seus patrícios, em Santa Teresa, buscando informações para localizarem outras terras a colonizar.

Casotti, um agrimensor, que abriu uma picada até o rio Santa Joana, animou as famílias, dando boas informações sobre as terras por ele encontradas.

No ano de 1882, doze famílias vindas da Itália, vieram para Santa Teresa. Elas eram: Daleprani, De Martin, Fiorotti, Meneghel, Fardin, Coan, Rabbi, Toniato, Denardi, Perin, Mazzo e Bergamaschi. Chegaram primeiro ao porto de Santa Leopoldina pelo Rio Santa Maria, de lá para Santa Teresa, na esperança de dias melhores e uma condição de vida digna, conforme fora prometido pelo governo brasileiro em virtude de terem perdido a mão de obra escrava e estes vieram suprir sua falta. Por coincidência do destino, muitos deles figuram nas páginas dos livros como fundadores de nossa terra, Itarana. Para terem acesso a Itarana, saíram de Santa Teresa numa viagem de muito sofrimento, dificuldade, onde a morte, a desesperança, a dor e a tristeza tornava conta de cada um.

Leia também:  Carnaval: Parques de Vitória vão funcionar nos 4 dias de Carnaval

Na localidade onde hoje se encontra Limoeiro, já estava fixado Antônio Gonçalves Ferreira que juntamente com outros empregados deram início as primeiras construções e edificações da futura Vila de Figueira de Santa Joana.

Contam os mais antigos que o primeiro nome da cidade deu-se ao fato de que, após uma difícil jornada, descansaram debaixo de frondosa figueira (cuja localização até hoje é discutível, uma vez que alguns afirmam que ficava onde hoje se encontra a Igreja Matriz, outros, que o local da figueira é onde está hoje o campo do Flamengo, e próxima a um rio, até então sem nome, e que passou a ser chamado de Santa Joana, talvez pela proximidade da festa de Santa Joana Francisca e Santa Joana Isabel, celebradas pela Igreja Católica, no período de 21 a 26 de agosto, uma vez que de acordo com os historiadores teriam os imigrantes chegado a sede de Itarana em 1º. de agosto.

De acordo com a história, neste tempo também chegaram os primeiros imigrantes alemães, vindos de uma região hoje extinta chamada Pomerânia. A família Schultz, segundo relatos históricos, foi a primeira a chegar, formando logo uma comunidade de luteranos. A expressão da comunidade formada pelos luteranos ainda hoje conserva os valores e tradições como: a língua, a dança, a culinária e tantos outros que efetivamente deram importante participação no desenvolvimento do Município. Com a chegada dos imigrantes pomeranos, inicia-se também a pluralidade religiosa já que estes trouxeram consigo uma nova religião: a luterana, fundada por Martinho Lutero. Além dos Schultz, outros nomes como Uhlig, Mielke, Brandt e Berger, fazem parte dos anais históricos do Município.

Leia também:  Camburi recebe 1º Festival Cultural de Verão de Vitória

Embora possa passar algumas vezes desapercebida, a imigração alemã trouxe grandes nomes para o Município de Itarana, haja vista que o primeiro vigário, Bernardo Henrique Niewind, era natural da Alemanha. Itarana (antiga Figueira de Santa Joana) e Itaguaçu (antiga Nossa Senhora da Boa Família), faziam parte do Município de São Sebastião do Alto Guandu – atual Afonso Cláudio, daí encontrar-se ainda hoje em funcionamento, na sede do Município, a Capela de São Sebastião, que depois de alguns anos abandonada e correndo literalmente o risco de ser demolida, voltou as atividades, sendo o padroeiro da comunidade sede do Município.

Em 15 de março de 1890, Itarana (antiga Figueira de Santa Joana) foi elevada à categoria de Distrito tendo sido sede municipal durante um ano (1891). Em virtude da Lei Estadual n.º 978 de 28 de novembro de 1914, que criou o Município de Boa Família, hoje, Itaguaçu, território como já vimos, desmembrado do Município de Afonso Cláudio, passou a Vila de Figueira de Santa Joana a pertencer ao Município de Itaguaçu.

Pelo Decreto Lei n.º 15.177 de 31 de dezembro de 1943, Figueira de Santa Joana passou a denominar-se Itarana.

No dia 17 de fevereiro de 1915 foi instalado oficialmente o Município de Itaguaçu. As lideranças religiosas e políticas da região defenderam para Itarana, a categoria de Paróquia ficando para Itaguaçu o domínio político.

No dia 13 de dezembro de 1963, sob a Lei 1910, aconteceu a emancipação política de Itarana. A instalação do Município e a posse do primeiro Prefeito foram a 18 de abril de 1964.

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

Possui dúvidas sobre o site, critícas ou sugestões? Fale conosco!

Patrocinado

Pesquise em Notícias

Se você não encontrou o que busca em, tente fazer uma pesquisa abaixo.