Vida nova após acidente em aplicativo de corrida. Vendedora da Serra quase perdeu todos os movimentos.

Médico conta como foi o procedimento cirúrgico. A história da Thays Barbosa, que sofreu acidente em carro de aplicativo. Caso é semelhante ao do ex-bbb Rodrigo Mussi Uma nova vida! Esse é o sentimento de Thays Barbosa de Oliveira, de 25 anos, depois que o carro de aplicativo no qual ela voltava de uma festa […]

Por Adwalter Brunow

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

vida nova apos acidente em aplicativo de corrida vendedora da serra quase perdeu todos os movimentos

Médico conta como foi o procedimento cirúrgico.

A história da Thays Barbosa, que sofreu acidente em carro de aplicativo.

Caso é semelhante ao do ex-bbb Rodrigo Mussi

Uma nova vida! Esse é o sentimento de Thays Barbosa de Oliveira, de 25 anos, depois que o carro de aplicativo no qual ela voltava de uma festa da empresa bater em um poste e entrar na vegetação, no dia 18 de dezembro do ano passado.

O motorista alegou que precisou desviar de um veículo que vinha na contramão e perdeu o controle da direção. Com a batida, Thays fraturou a coluna, o ombro e o pescoço, ficando inconsciente.

Resgate e atendimento

No entanto, o rápido resgate do Samu fez toda a diferença. Thays acordou no hospital já medicada, sob os cuidados do cirurgião de coluna Lourimar Tolêdo, que é ortopedista do Ráquis Instituto da Coluna.

“O atendimento dele e de sua equipe, os cuidados e a forma de conversar foram impecáveis. Operei a parte lombar da coluna no dia 30 de dezembro, e foi um sucesso. Botei 14 pinos e duas placas e já acordei no dia seguinte podendo sentar. Dois dias depois, fiz minha primeira caminhada”, lembra Thays.

Leia também:  Cidade do Consumidor: Procon Vitória inicia ações educativas

Risco

Com a gravidade do acidente, havia o risco de que ela ficasse sem o movimento das pernas (quadriplegia). Com a intervenção bem-sucedida, ela considera que sua vida já está “99% normal”.

“Saí do hospital já andando, no dia 4 de janeiro. Foi com ajuda, mas já consegui caminhar devagar. Fiquei com o colar cervical no pescoço por dois meses. Precisei usar cinta na coluna, não preciso usar medicação forte, a minha recuperação foi excelente. Ninguém acreditava como eu estava, pelo tamanho da minha cirurgia. Hoje afirmo que vou levar uma vida normal”, diz Thays, que termina as sessões de fisioterapia no mês que vem.

Caso parecido

O caso de Thays lembra um acidente envolvendo o ex-BBB Rodrigo Mussi, em 31 de março deste ano, quando o carro de transporte por aplicativo em que ele estava bateu na traseira de um caminhão, na Marginal Pinheiros, em São Paulo.

O ex-BBB teve lesões na coluna, passou por três cirurgias e seu estado de saúde foi considerado grave. Depois de 28 dias, ele teve alta.

Leia também:  Renova assinam acordo com PML para ETA em Degredo

Dados

O Brasil registrou mais de 878 mil acidentes envolvendo veículos no último ano. Foram cerca de 1,3 milhão de feridos e 20 mil mortes em todo o país, segundo o Registro Nacional de Acidentes e Estatísticas de Trânsito (Renaest), da Secretaria Nacional de Trânsito.

Por trás dos números, estão as consequências. Acidentes de alta energia, como os que envolvem carros e motocicletas, são as principais causas responsáveis por fratura da coluna e lesão da medula em pacientes jovens.

O médico Lourimar Tolêdo reforça que a principal causa de fratura da coluna e lesão na medula em pacientes jovens são traumas de alta energia.

“A conscientização e a educação no trânsito são as melhores formas de prevenir acidentes automobilísticos, que podem causar tetraplegia e paraplegia”, diz o médico.

Também alerta que, independentemente da gravidade, lesões na coluna vertebral após um acidente nunca devem ser ignoradas.

Prognóstico

Cada caso, acidente e lesão são únicos e o prognóstico dependerá, em última análise, de vários fatores, como idade, saúde e gravidade do acidente.

Leia também:  EDP alerta usuário de equipamento elétrico essencial a sobrevivência

“Por exemplo, o efeito chicote é uma condição da qual os pacientes se recuperam totalmente – torna-se então uma questão de quanto tempo leva para cicatrizar totalmente. Lesões mais extremas, como uma fratura vertebral, podem levar mais tempo para resolver ou podem envolver cirurgia para tratar os sintomas”, explica Lourimar Tolêdo.

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

Possui dúvidas sobre o site, critícas ou sugestões? Fale conosco!

Patrocinado

Pesquise em Notícias

Se você não encontrou o que busca em, tente fazer uma pesquisa abaixo.