Governo e maioria dos deputados arquivam projeto de Majeski que dava transparência às obras públicas.

Na defesa do projeto, Majeski fez ponderações importantes sobre a necessidade de aumentar as informações disponíveis ao cidadão. A maioria dos deputados estaduais confirmou o veto do Governo do Estado ao projeto do deputado estadual Sergio Majeski (PSDB) que garantia transparência efetiva à sociedade das obras públicas. A votação realizada no Plenário da Assembleia Legislativa […]

Por Adwalter Brunow

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

governo e maioria dos deputados arquivam projeto de majeski que dava transparencia as obras publicas

Na defesa do projeto, Majeski fez ponderações importantes sobre a necessidade de aumentar as informações disponíveis ao cidadão.

A maioria dos deputados estaduais confirmou o veto do Governo do Estado ao projeto do deputado estadual Sergio Majeski (PSDB) que garantia transparência efetiva à sociedade das obras públicas.

A votação realizada no Plenário da Assembleia Legislativa contabilizou 16 deputados contrários e 10 favoráveis ao Projeto de Lei (PL-16/2019). Com o resultado, a proposta foi arquivada.

“Nas placas normalmente têm o nome da empresa contratada, o tempo de duração e o valor inicial da obra. Nossa proposta estabelecia a inclusão de mais informações específicas, detalhadas, de modo transparente para qualquer cidadão saber como está sendo empregado o dinheiro público. É importante lembrar que em abril nosso projeto foi aprovado sem ressalvas aqui na Assembleia. Não há motivos técnicos para o Governo vetar e para alguns deputados mudarem de opinião tão rápido”, destaca Majeski.

Pelo PL de Majeski, nas placas de obras públicas deveriam conter as datas de início e de conclusão da obra, valor inicial e todos os acréscimos financeiros, nome da empresa realizadora, número do contrato, endereço e telefone do órgão responsável pela fiscalização da obra e contato da instituição que o cidadão poderá recorrer caso queira ter acesso aos documentos relacionados ao projeto.

Leia também:  Rejeitada urgência a PL contra passaporte vacinal

Majeski afirma que as obras públicas consomem enorme quantidade de recursos financeiros e com frequência são paralisadas ou levadas em ritmo desacelerado e abandonadas. No Espírito Santo, casos emblemáticos são as obras do Cais das Artes, das escolas técnicas estaduais em Afonso Cláudio, Iúna e Viana, da unidade de saúde da Rede Cuidar, em Domingos Martins, e das escolas estaduais Aristóbulo Barbosa Leão, na Serra, e João Crisóstomo Belesa, em Cariacica.

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

Possui dúvidas sobre o site, critícas ou sugestões? Fale conosco!

Patrocinado

Pesquise em Notícias

Se você não encontrou o que busca em, tente fazer uma pesquisa abaixo.