Lixo hospitalar leva secretária de Vila Valério à delegacia

MPES encaminha para a prisão secretária de Saúde e diretor do PA de Vila Valério por crime ambiental. O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Promotoria de Justiça de Vila Valério, com o apoio da Polícia Militar (PM), conduziu a secretária de Saúde e o diretor do Pronto Atendimento Médico […]

Por Adwalter Brunow

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram
Rede Integrada de Segurança da Serra

lixo hospitalar leva secretaria de vila valerio a delegacia

MPES encaminha para a prisão secretária de Saúde e diretor do PA de Vila Valério por crime ambiental.

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Promotoria de Justiça de Vila Valério, com o apoio da Polícia Militar (PM), conduziu a secretária de Saúde e o diretor do Pronto Atendimento Médico (PA) do município à prisão. Eles foram detidos em flagrante, na quinta-feira, dia 15, por crime ambiental, com base no artigo 54 da Lei 9.505/98, pelo acúmulo de lixo hospitalar e infectante em uma sala da unidade de saúde. A prisão é resultado de um procedimento do MPES que investiga a coleta e a destinação de lixo hospitalar na cidade.

A secretária de Saúde de Vila Valério, Katiucy Tetzner Muller, e o diretor do PA, Euclides Pansini, foram encaminhados para a Delegacia de Polícia, onde foi arbitrada fiança de R$ 2 mil. Após o pagamento do valor, eles foram soltos e responderão ao processo em liberdade.

De acordo com funcionários do PA, o lixo hospitalar produzido era acumulado naquele local há mais de 3 meses. Também eram levados para essa sala o lixo produzido em farmácias e laboratórios do município. A situação se repete, segundo os funcionários, desde que houve a suspensão do serviço de coleta de lixo hospitalar.

Leia também:  Na sexta (18) vai acontecer a 1ª caminhada da saúde em Jardim Tropical

O promotor de Justiça Carlos Eduardo Rocha Barbosa foi ao PA e constatou in loco o acúmulo de sacos de lixo com seringas usadas, curativos, luvas e gases sujos de sangue e, com testemunhas, deu voz de prisão para o diretor da unidade e para a secretária. “A sujeira e o mau-cheiro no local eram impressionantes. Em junho, oficiamos o prefeito de Vila Valério para que informasse a situação da coleta e destinação de lixo hospitalar. A resposta foi que havia uma empresa contratada para a realização do serviço. No entanto, o que encontramos nesse PA demonstra claramente que a informação encaminhada não procede”, relatou.

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

Possui dúvidas sobre o site, critícas ou sugestões? Fale conosco!

Patrocinado

Pesquise em Notícias

Se você não encontrou o que busca em, tente fazer uma pesquisa abaixo.