Expedição Rio Doce

Polícia investiga mais um suspeito por tragédia em Aracruz

Bruno Lamas, que preside a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, pediu julgamento rigoroso para a tragédia que levou à morte de três professoras e uma aluna. Deputado diz que polícia investiga a participação de mais um suspeito por tragédia em escolas de Aracruz. O presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa Estadual (Ales), […]

Por Adwalter Brunow

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

policia investiga mais um suspeito por tragedia em aracruz

Bruno Lamas, que preside a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, pediu julgamento rigoroso para a tragédia que levou à morte de três professoras e uma aluna.

Deputado diz que polícia investiga a participação de mais um suspeito por tragédia em escolas de Aracruz.

O presidente da Comissão de Educação da Assembleia Legislativa Estadual (Ales), deputado Bruno Lamas (PSB), pediu, em discurso realizado durante sessão de terça-feira, dia 29, da Casa, um julgamento rigoroso para a tragédia que levou à morte de três professoras e uma aluna em duas escolas de Coqueiral de Aracruz, o município de Aracruz, e informou que a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp) investiga a participação de um outro criminoso, que teria dado apoio ao adolescente de 16 anos que assumiu a autoria dos crimes.

“Pedimos um julgamento rigoroso para os fatos porque a própria Polícia Militar (PM), a Sesp, investiga inclusive a participação de outro autor, além do adolescente”, declarou o deputado, sem dar mais detalhes.

O ataque às duas escolas – uma estadual e outra particular – deixou ainda outras 12 pessoas feridas, sendo cinco delas em estado grave. Filho de um policial militar, o adolescente usou símbolos nazistas, o carro e as armas do pai – um revólver 38 e uma pistola ponto 40 – para cometer os crimes.

Leia também:  Projetos prioritários de Vila Velha até 2024

“A minha reflexão hoje é: que tipo de criação esse adolescente recebeu? Quais valores humanos foram ensinados no lar pelos pais? Por que um pai treina um filho para praticar tiros? Por que permite o acesso à arma de fogo pelo adolescente? É preciso investigar a vestimenta, a ideologia que o pai defendia, voltada para o nazismo, e o impacto de tudo isso na comunidade escolar”, discursou Bruno.

Para o parlamentar, trata-se de uma dura realidade que exige a reconstrução de políticas públicas que envolvem a educação e segurança pública no contexto escolar.

“É um momento de muita reflexão e de solidariedade. Busco providências, num país que tem leis frouxas, onde o ódio tem protagonismo puxado por lideranças políticas. Mas também temos de fazer o nosso dever de casa. A segurança pública no contexto escolar passa a ser uma necessidade muito mais do que urgente”, disse.

O deputado frisou que uma das escolas que foi palco da violência, a Primo Bitti, recebeu o Prêmio Sedu: Boas Práticas para Educação, na semana passada, como uma das três melhores do Estado. “E, infelizmente, nós enxergamos do outro lado a cultura do ódio, uma liberação exagerada do uso de armas de fogo e um discurso que entristece uma Nação”, comparou.

Leia também:  Candidatos e suas narrativas na estadualização do HGL.

Bruno também fez questão de elogiar a postura do governo do Estado em meio à tragédia que abalou o Espírito Santo.

“Quero registrar as respostas rápidas das secretarias do governo; – Sedu, Sesp, da Polícia Civil (PC) e do Samu. O governador Renato Casagrande (PSB), com a sua sensibilidade e prontidão, está com o coração ferido”, afirmou.

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Linkedin
  • Pinterest
  • WhatsApp
  • Telegram

Possui dúvidas sobre o site, critícas ou sugestões? Fale conosco!

Patrocinado

Pesquise em Notícias

Se você não encontrou o que busca em, tente fazer uma pesquisa abaixo.