Projetos aprovados em edital de proteção social estão recebendo um total de R$ 4 milhões para o desenvolvimento de atividades.

Fundação Renova Institutos promovem ações socioassistenciais a 6 mil famílias em cinco municípios capixabas. Institutos aprovados no Edital de Proteção Social da Fundação Renova estão desenvolvendo projetos que envolvem a participação de idosos, mulheres, crianças e adolescentes e adultos em geral em cinco municípios capixabas. Cada uma das oito instituições tem seu próprio projeto e, […]

projetos aprovados em edital de protecao social estao recebendo um total de r 4 milhoes para o desenvolvimento de atividades

Fundação Renova

Institutos promovem ações socioassistenciais a 6 mil famílias em cinco municípios capixabas.

Institutos aprovados no Edital de Proteção Social da Fundação Renova estão desenvolvendo projetos que envolvem a participação de idosos, mulheres, crianças e adolescentes e adultos em geral em cinco municípios capixabas. Cada uma das oito instituições tem seu próprio projeto e, para desenvolvê-lo, estão recebendo um total de R$ 4 milhões para atuarem em Aracruz, Baixo Guandu, Colatina, Marilândia e Sooretama.

Ao todo, os projetos disponibilizam, aproximadamente, 6 mil atendimentos a famílias capixabas. Mais de 1,3 mil alunos contarão com palestras de educação ambiental nas escolas e 80 alunos serão capacitados como condutores turísticos mirins.

Em Aracruz, a associação Amigos da Justiça, Cidadania e Arte desenvolve o projeto Saber Viver: Construindo Novas Vivências, direcionado a públicos diversos. As crianças e adolescentes participam de aulas de robótica. Já os idosos frequentam aulas de dança, enquanto as mulheres participam de atividades relacionadas a estética e empoderamento feminino.

Em Baixo Guandu, o Instituto Elos de Resistência realiza o projeto Educando para a Vida, direcionado a crianças, adolescentes e jovens, que participam de atividades esportivas como futebol e capoeira.

Leia também:  PMS divulga itinerário do fumacê a partir desta segunda (07)

“O Programa de Proteção Social tem por objetivo desenvolver e executar ações para promover a proteção social, por meio de ações socioassistenciais, incluindo atividades socioculturais e apoio psicossocial, realizando o acompanhamento às famílias e aos indivíduos vulneráveis moradores de municípios atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana”, diz Maria Albanita Lima, especialista do Programa de Proteção Social da Fundação Renova.

Programa

O Programa de Proteção Social é desenvolvido a partir de dois eixos principais. O primeiro deles acontece por meio do Termo de Cooperação Técnica, no qual os recursos financeiros são repassados diretamente aos municípios. O valor é destinado para a disponibilização de profissionais para ampliar o atendimento às famílias vulneráveis e para a compra de insumos para as atividades dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializado de Assistência Social (Creas).

O segundo eixo é o Acordo de Cooperação Técnica, no qual a Fundação Renova destina recursos para projetos inéditos ou iniciativas já existentes apresentadas por instituições da rede de proteção social e outras entidades que tangenciam a assistência social nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

Leia também:  Bairro Camará é o 61º da Serra a ter 100% de iluminação em LED

Nos dois eixos, mais de 100 profissionais, entre assistentes sociais e psicólogos, atuam nos municípios aderentes ao Plano de Reparação em Proteção Social. Atualmente, cerca de R$ 33 milhões e 18 veículos foram disponibilizados para que cidades, ao longo da bacia do rio Doce, desenvolvam o Plano de Reparação em Proteção Social e atendam mais de 21 mil famílias vulneráveis moradoras de municípios atingidos.

Além disso, 11 projetos estão em execução ou contratação via entidades socioassistenciais em sete municípios do Espírito Santo e Minas Gerais.

Fundação Renova

A Fundação Renova é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos, constituída com o exclusivo propósito de gerir e executar os programas e ações de reparação e compensação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão.

A Fundação foi instituída por meio de um Termo de Transação e de Ajustamento de Conduta (TTAC), assinado entre Samarco, suas acionistas Vale e BHP, os governos federal e dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, além de uma série de autarquias, fundações e institutos (como Ibama, Instituto Chico Mendes, Agência Nacional de Águas, Instituto Estadual de Florestas, Funai, Secretarias de Meio Ambiente, dentre outros), em março de 2016.

Pesquise em Notícias

Se você não encontrou o que busca em, tente fazer uma pesquisa abaixo.